O solitário sociável

Não é o homem que parece ser.
Tem olhos fundos, cansados, mascarados por óculos aro de tartaruga.
Suas feições tem forma flexível, instrumento do disfarce.
Esboça sorrisos amarelos e só ri verdadeiramente quando se encontra na solidão.
Mantém suas mãos inquietas em bolsos, copos, fumos, corpos alheios.
Discute sobre um tudo porque pensa demais.
E analisa demais, fala demais, vive demais.
Se esquiva de brigas, problemas, dinheiro, delírio.
Passa facilmente despercebido e definiram-no legal.
Um ser bio-psico-social normal.
Cujo mal é ser bio-normal, legal-social, psico-total.

Um comentário:

  1. Gostei... você que escreveu? Não tem referência a autor...
    Abs.

    ResponderExcluir